Contexto

FC Porto excluído da Liga dos Campeões

A decisão já saiu. Confesso que me surpreendeu. Este é um caso complexo, a meu ver, que toca as várias partes envolvidas (e aquelas que se envolveram, voluntariamente).

FC Porto

O meu clube do coração. Não percebo como é que não recorremos da sentença ditada pelo Conselho de Justiça da Liga. Não é pelos 6 pontos, uma ninharia; é pela honra e a memória de uma época fantástica que se manchou injustamente. Não recorrer foi consentir que se tem culpa. E aqui começa o pecadilho do Porto.

Liga

Bem sei que a justiça desportiva não depende da justiça civil, nem se desenrola nos mesmos moldes. Mas a forma como foi conduzido o processo Apito Final, as conclusões, tudo, não foram as melhores. Mas pronto, é a Liga que temos, para alguns, agora livres do tráfico de influências e do “Sistema”.

UEFA

Aplicar incorrectamente uma lei não abona a favor da instância superior responsável pelo futebol na Europa. Porque aplicam-se dois pesos e duas medidas: para o Porto; e para o Milan e a Juventus. Porque se a pena é aplicada retroactivamente para a equipa portuguesa, também o devia ser para os dois colossos europeus.

Benfica

Claro que estão a acautelar os seus interesses. Mas fazer queixinhas no mundo actual, onde a informação circula à velocidade da luz, não só é deprimente quanto parvo e triste.

Conclusão

Dito isto, se efectivamente perdermos o lugar na Champions, acho que era muito bem feita. Porque o Porto deve ser superior às chico-espertices que caracteriza os portugueses. Como disse, o que estava em causa não era os 6 pontos, mas sim a honra do clube. E isso está acima de qualquer título de campeão, qualquer lugar na Liga dos Campeões. Vamos a ver o que sucede nos próximos dias. Ironicamente, o Porto vê a Champions fugir-lhe no ano em que terminou com a maior distância pontual para os restantes clubes. Só espero que as equipas que disputarem a competição europeia façam boa figura, pois Portugal perde a sua melhor equipa na Champions, nos últimos 25 anos.