Contexto:

O “jogo da bolha” já movimenta milhões

Esta notícia já passou há umas semanas no Telejornal, foi artigo de capa no Sol, etc etc. Não é novo, a não ser pela denominação que tem (Jogo da Bolha, Roda, Círculo, Pirâmide, bla bla bla). O conceito é simples: alguém arranja dois amigos que metam X dinheiro. Estes ficam responsáveis de arranjar mais dois, and soyon and soyon. Até que a roda fique completa e o artista que teve a ideia em primeiro salta fora com o dinheiro, passando a haver duas rodas em vez de uma, criadas pelos dois amigos do artista da ideia original.

Muito gente tem sido aliciada para entrar no jogo e muitas entram mesmo. Eu já conheci alguns mesmo. A miragem de ganhar dinheiro fácil é tentadora, ainda para mais em tempos apertados. Num dos fóruns onde se anunciava a abertura de uma roda (ver aqui), encontrei coisas tão maravilhosas, que não as pude guardar só para mim: ninguém perde dinheiro, todos acabam por ganhar, há que haver espírito de entreajuda para que a roda não pare, os nossos governantes também roubam por é que nós não haviamos de roubar também?

Ora, se o ser humano fosse mesmo uma boa pessoa, não precisariamos de reuniões ultra-secretas para andar a distribuir dinheiro pelas pessoas. Como li nesse fórum, isto “nao se chama jogo da roda, mas sim, «Roda de inter-ajuda»”, até porque o ” lema aqui é a interajuda para que todos fiquemos a ganhar”. Que bom, viramos todos uma data de bons samaritanos. É difícil explicar os contras da participação numa coisa como esta, porque o dinheiro cega tudo e se for fácil, então…

As pessoas podem não se lembrar, mas isto não é nada novo. Já existiu anteriormente e se deixou de existir, não foi certamente porque toda a gente enriqueceu às custas do jogo.

Infelizmente, já somos todos bons rapazes, só andamos com dinheiro a mais e memória a menos.