Contexto

Flores

Depois da capital, altura de partir em direcção à ilha mais ocidental da Europa,  a ilustre Flores. As quase 2 horas de voo até nem custaram tanto, como também não custou aterrar no pequeno aeroporto que serve a ilha. Nem uma bolsa de ar, nem turbulência, nem aterragens loucas, nada! Consideravelmente mais pequena que São Miguel, as Flores consegue, ainda assim, ser maior do que eu pensava. E mais verde do que eu supunha. Incrivelmente verde. E florido. E lindo. Mesmo.

Curioso aspecto: demorei mais tempo a ver vacas do que em São Miguel. Mas que as há, há. E bonitas. E tão sempre a pastar e a comer. E fogem de mim, e das minhas tentativas de lhes fazer umas festas. Raios.

Aqui vão as palavras-chave do primeiro dia como florentino:

Pista pequena, boa aterragem

Meet the Parents (and granny and the rest of the family)

Conhecer a mítica Marlene

Ser arrastada pela mítica Marlene para andar a distribuir sacos de papel

Conhecer a vila de Santa Cruz a pé

Cambiar para a praia (ou piscina natural)

Sentir as pedras da piscina natural a enfiarem-se nos meus dedos

Dormir ao sol

Entrar na água (não tão quente como me tinham vendido!!)

Rabo esfolado em tentativa de salvamento infrutífera

Apanhar sol onde antes se apanhava baleias

Advertisement