Contexto

“Ainda não viram o verdadeiro Mariano”

Diz o argentino que a indefinição contratual do ano passado impediu-o de se mostrar verdadeiramente aos adeptos portistas. É um típico caso de precariedade laboral, neste caso, no futebol. Realmente deve ser chato estar emprestado a um clube europeu, a receber milhares de euros, a tempo e horas. Ter o espectro de retornar ao seu clube de origem (Palermo), onde iria continuar a receber milhares de euros, torna a vida de qualquer pessoa num inferno.

Vá, Mariano, mostra-nos que não és tão patego quanto pareceste na última época.