O meu último post, aquele sobre a bébé que foi posta à venda na Internet pelos pais, provocou muita celeuma. Alguma celeuma. Uma celeumazita, vá. Mas quem está a aqui a quantificar?

É sádico, eu sei, mas tem explicação.

Isto porque o autor da frase (eu) cresceu a ouvir da boca do seu irmão (mais velho) que eu tinha sido comprado no supermercado da esquina e que, numa tentativa de emendar o erro (eu), os meus pais tentaram-me trocar por um saco de café. Do bom, daquele que é feito através de mistura.

Claro que isso é capaz de deixar cicatrizes piscológicas numa qualquer criança, mais habituada a ouvir a estafada lengalenga da cegonha. Não foi o caso. O meu comentário sadista advém doutra condição minha.

A parvoíce.